09/02/2018 INOVAÇÃO À VISTA

Nova joint venture “Veramaris” é resultado de união entre DSM e Evonik

Construção da unidade, sediada em Delft (Países Baixos), já está em andamento

DSM e Evonik (ambas com sede no Brasil em São Paulo/SP) anunciaram sua intenção de dar início a uma joint venture em março de 2017, desde então, todas as aprovações necessárias foram recebidas. Por isso, ambas as companhias anunciam o lançamento da Veramaris. Com divisão 50:50, a unidade está sediada na DSM Biotech Campus, em Delft (Países Baixos).

Voltada para a produção de ácidos graxos ômega 3 EPA e DHA, a inovação fica por conta do uso do óleo de algas marinhas naturais, que permitirá, pela primeira vez, a produção de ácidos graxos ômega 3 EPA e DHA para a nutrição animal, sem a utilização de óleo de peixes capturados na natureza, um recurso finito.

Produzindo este óleo rico nos dois ácidos graxos ômega 3 essenciais EPA e DHA por meio de fermentação de larga escala em sua unidade em Blair (Nebraska/EUA), a Veramaris permite que os parceiros ao longo da cadeia de valor tornem-se independentes de peixes pescados na natureza e atendam a demanda crescente por proteína animal de forma responsável.

A joint venture será liderada pelo CEO Karim Kurmaly e CFO Frank Beissmann. Biólogo marinho, Kurmaly está na DSM há mais de 16 anos, mais recentemente como vice-presidente de Saúde Nutrição Animais na Ásia-Pacífico. Beissmann, engenheiro, trabalha na Evonik há mais de 20 anos, tendo ocupado diversos cargos na produção, cadeia de suprimento, marketing e controle.

A construção da unidade de produção de US$200 milhões em Blair já começou, e está avançando de acordo com o planejado. Já estão disponíveis quantidades-piloto para fins de desenvolvimento de mercado. A capacidade de produção anual inicial atenderá cerca de 15% da demanda anual total atual de EPA e DHA da indústria de aquacultura de salmões.

algas marinhas_reproducao

Quantidades comerciais do óleo de algas rico nos essenciais ácidos graxos ômega 3 EPA e DHA estarão prontas para a venda em 2019 (Foto: reprodução)

"Nosso óleo de alga, rico tanto em EPA quanto DHA, é a nossa resposta à necessidade da indústria por uma fonte sustentável e rastreável de ácidos graxos ômega 3 EPA e DHA. A Veramaris agora permitirá que nossos parceiros na cadeia de valor cresçam de forma responsável e atendam a demanda por proteína animal saudável rica em EPA e DHA para a saúde dos consumidores", afirma Kurmaly.

“Nossa meta é estabelecer um padrão na indústria. Estamos comprometidos em oferecer alta qualidade consistente dos ácidos graxos ômega 3 EPA e DHA. Com base em nosso conhecimento especializado na cadeia de suprimentos e logística, estamos aptos a tornar a transição dos clientes para a Veramaris tão tranquila quanto possível”, confirma Beissmann.

Inovação. Até recentemente, os ácidos graxos ômega 3 EPA e DHA adicionados a rações animais vinham quase que exclusivamente de fontes marinhas, por exemplo, óleo e farinha de peixe, que são recursos finitos. Atualmente, um total de 16 milhões de toneladas métricas de peixes da natureza é capturado para a produção de óleo e farinha de peixe. Ao utilizar algas marinhas naturais, a Veramaris contribui para cobrir a lacuna de fornecimento e demanda de ômega 3 EPA e DHA, simultaneamente auxiliando a preservar a vida marinha e a biodiversidade dos oceanos.

Fonte: A.I., adaptado pela equipe feed&food.