11/08/2017 MERCADO ABERTO

Myanmar e Madagascar autorizam importação de genética avícola brasileira

Propostas se referem aos embarques de ovos férteis e pintos de um dia

Myanmar e Madagascar aceitaram as propostas de Certificado Zoossanitário Internacional (CZI), apresentado pelo Brasil, para o embarque de ovos férteis e pintos de um dia.

As negociações sanitárias foram iniciadas no segundo semestre do ano passado, depois de ações de prospecção de mercados realizadas em conjunto pelo do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA, Brasília/DF) e pela Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA, São Paulo/SP).

Na época, Myanmar e Madagascar demonstraram interesse em desenvolver cadeias produtivas de ovos e de aves. O Brasil, que consolidou na última década uma plataforma exportadora de genética avícola, se habilitou como fornecedor.

pinto ovo ave_reproducao

Myanmar e Madagascar passam a integrar grupo de cerca de 50 países que importam regularmente material genético avícola do Brasil (Foto: reprodução)

De acordo com o Departamento de Saúde Animal (DAS) do MAPA, com a aceitação das propostas dos certificados veterinários, Myanmar e Madagascar passam a integrar grupo de cerca de 50 países das Américas, Oriente Médio, África, Europa e Ásia que importam regularmente material genético avícola do Brasil.

O coordenador substituto de Trânsito e Quarentena Animal declara que o acesso e a manutenção de mercados importadores de ovos férteis e pintos de um dia possuem viés estratégico para o Brasil, “na medida em que evidenciam reconhecimento da condição sanitária do plantel avícola brasileiro na comunidade internacional”.

Qualidade sanitária garantida. Entre os grandes produtores avícolas, o Brasil é o único que nunca registrou ocorrência de influenza aviária de alta patogenicidade. As casas genéticas brasileiras (como são chamados os estabelecimentos produtores) seguem rígidos protocolos de biosseguridade, em ambiente tecnificado, dentro dos padrões estabelecidos pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) e com respeito às normas de bem-estar animal.

Fonte: MAPA, adaptado pela equipe feed&food.